Prefeitura do Rio anuncia R$ 20 milhões em fomento para a Retomada do Audiovisual Carioca

Plano da RioFilme traz série de ações com investimentos e reestruturação do setor na cidade

O Prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou na manhã desta terça-feira (17/08), o Plano de Retomada do Audiovisual Carioca, um pacote de investimentos com uma série de medidas para recuperar e fortalecer o setor na cidade por meio da RioFilme, empresa que integra a Secretaria de Governo e Integridade Pública (SEGOVI). Estavam também presentes no lançamento, no Palácio da Cidade, o Secretário de Governo e Integridade, Marcelo Calero, o Diretor-Presidente da RioFilme, Eduardo Figueira, autoridades e representantes do setor audiovisual na cidade.

 

O Prefeito do Rio, Eduardo Paes, durante a apresentação do plano de Retomada do Audiovisual Carioca. Foto: Beth Santos / Prefeitura

 

As ações preveem investir ainda neste ano de 2021, por meio de editais, R$ 20 milhões nas áreas de produção, finalização e desenvolvimento de projetos para o cinema, TV, ações locais e games. Neste orçamento, estão garantidos também recursos para a realização de eventos, mostras e festivais de cinema.

– Essa cidade tem a obrigação histórica e moral de mostrar que qualquer tipo de censura preconceituosa e negacionista não vai valer. Vamos lançar no ano que vem um novo edital para o audiovisual. Vamos mantendo assim, fortalecendo o setor. A gente volta a assumir esse protagonismo. A era das trevas acabou. Essa cidade depende muito da cultura, que constrói a história e a identidade do Rio – disse Paes, ao lado do secretário de Governo e Integridade Pública, Marcelo Calero, e do diretor-presidente da RioFilme, Eduardo Figueira, para uma plateia formada por representantes do setor audiovisual carioca.

Entre as premissas para se participar dos editais há regras como: as empresas interessadas devem estar há pelo menos dois anos funcionando com sede na cidade do Rio, 70% dos recursos recebidos por meio dos editais devem ser gastos no município e os investimentos devem começar a ser utilizados ainda em 2021.

Além do fomento, o Plano de Retomada prevê ações para a recuperação da infraestrutura do setor na cidade, como a reestruturação do Polo Cine Vídeo e a reabertura do CineCarioca Nova Brasília, no Complexo do Alemão, que se prepara para voltar às atividades em outubro de 2021.

– É uma alegria falar dessa retomada. Depois de quatro anos de uma incompreensível lacuna, incompatível com o que a cidade já produziu de audiovisual, voltamos a ser o mais importante pólo deste setor, que gera tanto emprego e renda, além de refletir a nossa própria identidade. O Rio de Janeiro está tomando novamente a liderança. Não é apenas um aporte de recursos, são políticas públicas voltadas para este segmento – destacou o secretário de Governo e Integridade Pública, Marcelo Calero.

O Secretário de Governo e Integridade, Marcelo Calero, durante a apresentação do plano de Retomada do Audiovisual Carioca Foto: Divulgação RioFilme

Ainda dentro das medidas de infraestrutura, será criado por meio de um decreto assinado pelo prefeito um Grupo de Trabalho, formado por representantes de secretarias municipais, para avaliar a criação do Distrito Criativo Carioca – DCC, na região entre Barra e Jacarepaguá, zona oeste da cidade. A partir do trabalho do GT, que tem prazo máximo de trabalho de 90 dias, serão analisadas, à luz das necessidades tributárias e estruturais, a viabilidade do Distrito, que tem como objetivo consolidar e solidificar as atividades de audiovisual na região, que já abrange um complexo de seguimentos inerentes ao setor, com estúdios de televisão, rede hoteleira, ampla estrutura comercial e turística e ainda, o Polo Cine Vídeo.

Outra importante medida é a consolidação da RioFilme como porta de entrada para quem filma no Rio. Essa medida é amparada em um decreto assinado hoje pelo Prefeito, que amplia as competências da RioFilme, fazendo da empresa a centralizadora dos trâmites de liberação de filmagem na Cidade, com a implementação de um sistema que agiliza, desburocratiza e dinamiza os processos de autorização de uso de locações públicas. O processo trará critérios e prazos definidos e será mais eficiente e transparente. As novas regras entram em vigor em 60 dias, contados a partir da data da publicação do decreto.

– É um prazer fazer parte desta retomada. As ações foram conversadas com produtores e realizadores. Queremos abrir a RioFilme mais para vocês do audiovisual. Vamos trabalhar juntos. Quero agradecer ao prefeito e ao Calero por entenderem a necessidade do nosso mercado. Que o protagonista seja o Rio de Janeiro – afirmou o diretor-presidente da RioFilme, Eduardo Figueira.

Durante a cerimônia de lançamento, anunciou-se também uma importante parceria entre a RioFilme e a Firjan, que concederá uma ampla consultoria à empresa municipal para a modernização de sua estrutura e definição de seu planejamento estratégico, que deve resultar, entre outras realizações, na criação de uma nova marca: a RioFilme+.

O Plano de Retomada traz também a criação de um conselho consultivo, o Conselho da RioFilme, um importante passo na direção da ampliação da participação do mercado audiovisual nas decisões da empresa. O Conselho deverá reunir um grupo de sete notáveis representantes do setor audiovisual nas esferas pública e privada, sendo dois componentes da Prefeitura e cinco do mercado. O Conselho terá o desafio de auxiliar a RioFilme na sua interlocução com o mercado e na condução de suas diretrizes.

Diretora do Festival do Rio, Walkiria Barbosa saiu do Palácio da Cidade “totalmente satisfeita” com as iniciativas lançadas.

 

– Não tinha a menor dúvida que isso iria acontecer. A gente conhece o Eduardo Paes, sabe que ele gosta do audiovisual, só que é mais do que isso: ele entende a importância do setor tanto do ponto de vista social quanto do econômico e da promoção da cidade – ressaltou ela.

Apresentação do plano de Retomada do Audiovisual Carioca Foto: Divulgação RioFilme

Fomento

Serão injetados R$ 20 milhões na cadeia produtiva do audiovisual no Rio de Janeiro, ainda em 2021, um dos maiores investimentos da RioFilme nos últimos dez anos. Os recursos se dividem entre: reembolsáveis, com R$ 15,18 milhões divididos entre dois editais e sete linhas (edital de fomento reembolsável com 5 linhas e edital de fomento automático reembolsável com 2 linhas); não reembolsáveis com R$ 1,070 milhão na produção de curtas-metragens e ações locais; e R$ 3,75 milhões que serão destinados ao apoio a Eventos, Mostras e Festivais.

Entre os recursos reembolsáveis, a linha de Complementação para Produção e Finalização de longas-metragens irá distribuir R$ 5,8 milhões entre no mínimo oito projetos de ficção, animação ou documentário. Ainda entre os longas-metragens, haverá um edital que priorizará os diretores estreantes: a linha “Revelando Talentos” dedicará R$ 3,75 milhões a, pelo menos, seis cineastas que preparam seus primeiros filmes.

O Edital com recursos reembolsáveis prevê também a linha de Desenvolvimento de longas-metragens, que irá beneficiar pelo menos seis projetos com um investimento total de R$ 540 mil a serem distribuídos entre ficções, animações ou documentários. Para obras seriadas serão destinados R$ 690 mil, distribuídos entre, pelo menos, oito projetos de animação, ficção ou documentário. Por fim, este edital prevê também uma linha dedicada à produção de games com recursos de R$ 400 mil reais.

Já o Edital de Investimento Automático irá distribuir R$ 4 milhões divididos em quatro prêmios, sendo metade por excelência em Desempenho Comercial e a outra metade destinada à mérito por Desempenho Artístico, nos dois quesitos as produtoras das obras serão as beneficiadas pelos prêmios.  O processo desse edital, por ser automático, é diferente dos demais.

Entre os editais com recursos não reembolsáveis, os curta-metragistas cariocas serão beneficiados por um edital não reembolsável específico para o formato, totalizando um investimento de R$ 920 mil que deverão ser distribuídos entre, pelo menos, dez projetos entre ficções, animações e documentários. E o Edital voltado para as Ações Locais prevê investimentos de R$ 150 mil, que deverão beneficiar no mínimo dez projetos.

O Plano de Retomada prevê também recursos não reembolsáveis no valor total de R$ 3,75 milhões, destinados a beneficiar eventos, Mostras e Festivais de cinema e iniciativas destinadas à formação de plateia.

Os projetos inscritos serão analisados por comissões de seleção específicas para cada linha, cada uma delas será composta por cinco pessoas escolhidas pelo critério de notório saber e atuação no setor audiovisual, entre representantes da administração pública e da sociedade civil.

Antes das inscrições, todos os editais serão abertos à Consulta Pública no site da RioFilme, a partir de hoje (17/08), nos endereços www.riofilme.com.br e www.rio.rj.gov.br/riofilme. Os interessados em participar da Consulta Pública poderão fazê-lo pelo e-mail fomentoriofilme@gmail.com. No caso específico do Edital de Premiação Automática, estarão disponíveis os critérios de classificação das obras premiáveis. O cronograma do Plano de Retomada prevê que as inscrições estarão abertas no período de 30 de agosto a 27 de setembro.

O Presidente da RioFilme, Eduardo Figueira, durante a apresentação do plano de Retomada do Audioviusal Carioca
Foto: Beth Santos / Prefeitura

Clique aqui para acessar o Cronograma completo.

Rio Film Commission

Outro ponto essencial da Retomada é o fortalecimento da Rio Film Commission (RFC), braço da RioFilme responsável pela condução de filmagens na cidade, que vai passar por profunda reestruturação para conquistar maior empoderamento e protagonismo. A ideia é tornar a RFC mais ágil e desburocratizada no papel de centralizadora entre os agentes que autorizam e fazem a gestão de locações para as filmagens no Rio, concentrando em uma única porta de entrada (Sistema da Rio Film Commission), os pedidos de autorização para filmagem em: vias e equipamentos públicos municipais, estaduais e federais.

Além disso, estão sendo criadas parcerias para a redução de prazos e custos junto aos gestores das locações mais disputadas na cidade. A meta é facilitar a vida de quem filma no Rio junto a empresas de Iluminação; Geradores de energia; Equipe de Câmera; Equipe de Movimento; hospedagem; Aluguel de Estúdios, entre outros. A proposta é tão promissora que de início já conquistou parceiros como os equipamentos BioParque, AquaRio, Paineiras Corcovado, Bondinho do Pão de Açúcar, Rio Star – a roda gigante no Porto Maravilha, Museu do Amanhã, e empresas como a VLTQuanta, Naymar e Hoffmann.

Para dinamizar o processo e atrair novas filmagens para a cidade serão disponibilizados os catálogos de locações e de produtoras cariocas no site da Rio Film Commission.

A Rio Film Commission também deverá fazer a ponte entre as produtoras e gestores públicos de espaços como Praias, Parques (SMAC); Teatros, Bibliotecas, Centros Culturais, Museus (SMC); Escolas (SME), Planetário (SEGOVI) e Equipamentos Esportivos (SMEL).

Infraestrutura

O Plano de Retomada do Audiovisual da RioFilme tem também como meta central o fortalecimento do ambiente produtivo e exibidor na cidade, se concentrando em ações voltadas para a reestruturação do Polo Cine Vídeo, por meio da concessão do espaço que será licitado, mediante investimentos para a sua modernização.

A ideia é oferecer no local estúdios com infraestrutura de ponta para o setor audiovisual no Rio de Janeiro, será feita a reforma dos seis estúdios existentes e a construção de mais 4.800 m2 em novos estúdios, ao final dos trabalhos, o Polo contará com uma área útil total de 9.600 m². Os vencedores da concorrência ficarão isentos de IPTU durante todo o contrato. Durante o período de obras, eles estarão isentos também do aluguel do espaço.

A criação do Grupo de Trabalho para se estudar a viabilização do Distrito Criativo Carioca – DCC é também uma conquista para as ações de fortalecimento da infraestrutura audiovisual na cidade. O Distrito é uma demanda do setor, que identificou na zona oeste, entre Barra e Jacarepaguá, um polo natural agregador de atrativos para a criação de um grande complexo audiovisual. Além dos estúdios de duas das maiores empresas de televisão do país, a área conta também com uma ótima base logística para as produções, como rede hoteleira, shoppings e equipamentos culturais, como a Cidade das Artes.

E finalmente, ainda falando de infraestrutura, a reabertura em outubro do CineCarioca Nova Brasília, no Complexo do Alemão, aponta para futuras ações junto ao parque exibidor, a RioFilme tem dialogado com representantes da área para otimizar ações voltadas para esses espaços na cidade.

Apresentação da Retomada do Audiovisual Carioca no Palácio da Cidade. Foto: Divulgação RioFilme